Resenha Universo dos Livros

Resenha do livro Sempre, J.M. Darhower

“Uma vez que se ama, se ama para sempre. Não se pode evitar”.

Se você possui algum preconceito com fanfic de Crepúsculo que virou livro, peço que continue essa resenha. Você não vai se arrepender. Não estamos falando de algo como Cinquenta Tons de Cinza – apesar de amar o Sr Grey e a Srta Steele sou capaz de reconhecer as falhas. E eu preciso dizer que a primeira vez que li “EP”, soube que daria uma grande história que quase não vemos mais por aí. Sempre é o meu novo amor.

Em um mundo onde o erotismo está vencendo o mercado da literatura (nada contra, realmente gosto de ler livros eróticos) fico feliz em encontrar algo no mercado que seja sobre um tema muito pouco abordado (tráfico de pessoas) e um amor puro.

Haven Antonille é uma jovem que não conhece a vida e muito menos o quanto o mundo é grande. Filha de uma escrava, viveu escondida nas sombras de um porão. Lutou para sobreviver no sol quente. Não experimentou afeto e amizade. Sua única fonte de amor sempre foi sua mãe, uma mulher que foi abusada, violada de muitas formas. Mas nunca deixou de amar e proteger seu pequeno tesouro. Sua filha era seu refúgio. A menina cresceu escondida em uma fazenda e até que um dia precisa fugir… E tudo muda.

Carmine DeMarco é o “príncipe herdeiro”. Um garoto de 17 anos que cresceu com o mundo aos seus pés. Com dinheiro, mulheres, mas com grandes marcas e memórias traumatizantes. Carmine se destrói a cada dia que passa. Ele não sabe o que é amor e o que é ser feliz. Seu pai, Dr Vicent DeMarco, pertence à mafia italiana e seu filho é afilhado do poderoso chefão. Carmine vive na sombra que é pertencer e ser pressionado na vida do crime. Ele é brigão, boca suja, viciado e completamente desordenado. E então, uma garota foge e chega na sua vida.

“Você foi trazida para mim por um motivo, para salvarmos um ao outro. Porque você não era a única que precisava ser salva, Haven. Eu estava me afogando e você me resgatou”.

Haven e Carmine constroem um relacionamento inocente, baseado no mais puro e sincero amor. Eles não esperam e sequer planejaram os sentimentos que crescem de forma intensa. Carmine encontrou na menina que nunca comeu um chocolate, nunca esteve na escola e nunca viveu como uma adolescente qualquer. Haven encontrou em Carmine o companheirismo e a verdade sobre a vida com outra pessoa: não é bonita, mas pode ser simples.

Sempre é intenso, tenso e muito grande, mas eu amo de paixão porque a história é perfeita, bem escrita e te faz mergulhar de cabeça em um mundo que deve existir por aí. Te faz abrir os olhos as nossas neuras mais bobas e os questionamentos mais fúteis. Ele te deixa com o coração na mão, sofrendo e no final, dá uma ressaca literária. Confesso que devorei o livro em três dias e mal conseguia dormir.

E ah, a melhor parte de Sempre é que não existe vilões e mocinhos. Todos os personagens, principalmente os que possuem narração (Carmine, Haven e Dr. Vicent), não são bons, mas também não são ruins. São pessoas levadas a cometer seus crimes/erros pela necessidade da vida. Sempre é o primeiro livro da J. M. Darhower, publicado no Brasil pela Editora Universo dos Livros, com 560 páginas e direitos já comprados. Será que vira filme?

You Might Also Like