Reflexão Textos

Descubra quem você é.

É difícil passar pela vida sem se conhecer, no mínimo, quem se importa consigo mesma, deve parar em um momento e analisar, buscar se entender, ir à terapia, conversar com amigos, porque eu posso te garantir que me conhecer foi a melhor decisão da minha vida. Quando eu era criança, meu caráter e educação foram moldados segundos meus pais, vou ser honesta, tive uma infância emocionalmente fodida e uma adolescência depressiva, me tornei uma adulta que carrega no peito uma bomba relógio. A depressão e ansiedade são as doenças que mais sofrem preconceito, muitos julgam como drama e poucos realmente param dar atenção a si mesmo e se cuidar.

Quando eu era mais nova, tinha ataques de pânico. Claro que não sabia o que era aquilo, o medo irracional (não tão irracional assim) que tinha de errar, que tinha da repreensão do meu pai, que apesar de ter apanhado poucas vezes, ele sempre soube como me fazer desejar morrer, mesmo pequena. Na adolescência, desenvolvi uma série de complexos, principalmente quando me dei conta que não era bonita como as meninas da escola, que os garotos queriam as mais baixas, as mais magras, as delicadas, não a mim. Eu tive tanta aversão a mim mesma durante o ensino fundamental que nunca permiti que nenhum garoto da escola pudesse gostar de mim.

No ensino médio, não mudou muito, mas eu já tinha um relacionamento complicado com uma pessoa e não fazia muita diferença os meninos, mas, eu era constante alvo das “amigas”, que gostavam de falar do meu corpo, do meu rosto, das minhas sardas e etc. Tudo aquilo era muito difícil de lidar e eu empurrei com a barriga, sem me entender, sem conseguir explicar porque estava sempre sofrendo e a dor constante no coração, vontade de desaparecer, os ataques de ansiedade por qualquer mísera coisa e o afastamento emocional de qualquer pessoa.

Só me dei conta que precisava de ajuda, de uma pausa e de um refresco em 2013, quando sofri o término de um relacionamento (a melhor coisa que poderia ter acontecido na minha vida) e eu sofri tanto, tanto, que chegou um momento que não queria ser aquela garota. E eu percebi que não era. Durante todo relacionamento me moldei ao que ele queria, para não desagradar, criei uma personalidade que só serviu para me machucar e depois de analisar bem, toda a minha vida fui assim: sendo a criança que queriam porque eu tinha medo, sendo a melhor amiga de quase todo mundo porque era difícil lidar com a rejeição.

Decidi que precisava de novos ares, sai do emprego, fui estudar fotografia, comprei minha câmera, morei com minha irmã, beijei uma infinidade de caras diferentes, conheci novas pessoas, fiquei horas, longas e imensas horas me olhando no espelho e aprendendo a amar cada pedacinho do meu corpo. Tudinho. As sardas, o dente quebrado, os olhos pequenos, o rosto redondo, as bochechas gordas, as mãos grandes, meus seios, minha barriga, meus pés e minha altura. Cada “coisa” minha, boa ou ruim, aprendi a me amar, com qualidades, defeitos. Foram três anos…  E aqui finalmente estou pronta para te dizer que eu me descobri, falo muito, tenho uma risada escandalosa, sou alta, não sou delicada, não sou muito feminina, sou mais mulherão, meu rosto é cheio, nariz pequeno e boca torta.

Tenho humor negro, sou direta, não tenho meio termo, sou chata a maior parte do tempo, tenho surtos criativos e muito, mas muito sarcasmo na ponta da língua. Vai precisar de muito mais que um ela é gorda e feia pra me parar. Definitivamente não choro mais atoa. Tenho dias que me sinto um lixo, dias que preciso parar para buscar forças e seguir meu caminho. Não sou perfeita, não quero ser, mas ninguém me conhece mais que eu mesma e entendi muito sobre amor e a vida quando aprendi a me respeitar.

Estou relatando tudo isso porque esses dias, descobri que pessoas da minha família tem vergonha de mim e que amigos se afastaram porque sou “complicada” (como se eles também não fossem, mas, todo mundo precisa de tempo pra se descobrir), nem sempre estou bem, é uma verdade, mas é inegável dizer que eu tenho uma determinação imensa para não me deixar ruir: minhas leitoras. E é por isso que estou aqui para te dizer que haverá dias que você não se sentirá feliz, bem vindo, amado e compreendido. Existirá momentos que tudo irá parecer muito pior que é e sem esperanças, dias que você não vai sair da cama. Dias que sua vida parece inútil.

E nada disso é verdade. Você não é inútil, só precisa aprender a respeitar seu tempo, a dizer não, a compreender seus sentimentos, a não ter vergonha dos seus medos, a se amar muito e experimentar o melhor da vida que é ter a certeza de quem você é, não dando razões ou espaço para que o outro possa vir a dizer sobre você. Me dei dois dias para ficar triste, para sentir mágoa, depois parei e pensei sobre esse texto, já programado para quinta-feira. Desejo que você se olhe no espelho, se ame e que para cada palavra ruim sobre você, repita uma palavra boa quantas vezes for necessário até que aquela ruim não faça sentido. Descubra quem você é e voe.

You Might Also Like